jogos de dragon ball
Games Tops de Games

Os 10 jogos de Dragon Ball que deixaram sua marca!

Se você está lendo esse post, provavelmente já passou horas jogando alguns dos games listados abaixo. Escolhemos os 10 jogos de Dragon Ball que deixaram sua marca de alguma maneira nos consoles da PlayStation: seja pela sua estreia na plataforma, pela inovação na maneira de lutar, a quantidade absurda de personagens disponíveis, e por aí vai…

Confira abaixo os jogos de Dragon Ball escolhidos:

Dragon Ball Z: Legends

Data de lançamento: 31 de maio de 1996
Plataformas: PlayStation, Sega Saturn
Estúdio: Bandai
Desenvolvedores: Bandai, TOSE

Esse foi o primeiro jogo de Dragon Ball que eu tive contato. Ter a sensação de jogar com um personagem que eu só via na TV era indescritível! O game era em bits 2D e funcionava com batalhas em equipe e a barra de “Balanço do Poder”, que pendia sempre para o lado que estava dando mais porrada no adversário. Toda vez que a barra enchia, o capitão da equipe dava seu ataque especial e tirava dano do capitão da equipe adversária. Quando o capitão morria, outro integrante se tornava o capitão. Isso acarretava em uma luta desequilibrada, já que assim um dos times teria um integrante a mais. O jogo ainda contava com o botão “Select” do Play, que você podia apertar e deixar as lutas em modo automático. Embora seja um dos jogos mais velhos de Dragon Ball, ele ia até a saga Boo.

Dragon Ball Z: Ultimate Battle 22

Data de lançamento: 28 de julho de 1995
Plataforma: PlayStation
Desenvolvedores: Bandai, Atari
Estúdios: Bandai, Infogrames, Namco Bandai Holdings

Embora esse jogo seja 1 ano mais novo que o de cima, eu só joguei depois. Sempre comentei que era o game que tinha gráficos mais fiéis ao anime por seus personagens terem a aparência 2D, diferente da maioria dos outros jogos que são 3D ou bits. Porém, chegou um momento em que percebi o quão feio era, hehehe. Mas serviu como uma boa experiência para começar a jogar games de lutas 1×1. A gama de personagens era bem ampla pra época e também ia até a saga Boo. Durante a batalha podia dar socos, chutes e bolas de energia. Você podia voar também, embora só pudesse ficar em 2 possíveis áreas de combate: no chão, ou colado no limite do topo da tv.

Dragon Ball GT: Final Bout

Data de lançamento: 1 de fevereiro de 1997
Plataforma: PlayStation
Desenvolvedores: Bandai, Bandai Namco Entertainment, TOSE
Estúdios: Bandai, Atari, Bandai Namco Entertainment, Namco Bandai Holdings, Atari, Inc.

Esse eu considero o melhor jogo de Dragon Ball de PSone. Além de ser minha abertura favorita das intros do console, a melhoria nos gráficos ficou extremamente evidente. Podíamos jogar com personagens do Z e do GT incluindo o Baby Oozaru e Goku SSJ 4. As batalhas ficaram mais intensas, principalmente com os combos chamados de Meteor! Neles era possível fazer uma sequência de ataques ao apertar os botões na hora certa. Conforme a sequência era acertada, a velocidade do combo aumentava e ficava mais difícil de executá-la. Fora que o jogo contava com as famosas “manhas” para se fazer na tela inicial para desbloquear todos os personagens sem fazer uma luta sequer.

Dragon Ball Z: Budokai 2

Data de lançamento: 4 de dezembro de 2003
Plataformas: PlayStation 2, Nintendo GameCube
Desenvolvedor: Dimps
Estúdio: Atari

Começando os jogos da 2ª geração, o primeiro representante fica com o saudoso Budokai 2! É claro que o Budokai 1 marcou por ter sido o primeiro jogo pra PS2, porém sua sequência o supera em tantos aspectos que prefiro mencioná-la. Entre as grandes inovações que o jogo trouxe, destaco um modo história diferenciado, onde você controla os personagens em formato de peças e percorre o cenário como num tabuleiro. Além disso, os gráficos evoluíram ainda mais e é possível se transformar em Super Saiyajin 1, 2 e até o 3 já que o jogo vai até a saga Boo. As lutas ficaram muito mais dinâmicas e sequenciais. Um ponto altíssimo no jogo foi a apresentação das fusões! Além de apresentarem a Dança Metamoru, na qual você tinha que apertar uma sequência de botões e, caso errasse a fusão, o Gotenks ficava gordo xD O game também trouxe as fusões com os brincos de Potara. E se aproveitou disso para a zoeira! Nele foi possível conhecer vários mitos fusionados como: TienCha (Tenshinhan e Yamcha) e GokuLe (Goku e Mister Satan).

Dragon Ball Z: Budokai 3

Data de lançamento: 3 de dezembro de 2004
Plataforma: PlayStation 2
Desenvolvedor: Dimps
Estúdio: Atari

Um jogo extremamente viciante! Esse foi um dos que eu passei horas e horas jogando. Seguindo o mesmo estilo de luta e gráficos um pouco melhores que o Budokai 2, sua nova versão trouxe um novo modo história onde você podia voar pelo mapa, achar as esferas do dragão, itens especiais e fazer as missões. Tivemos novamente a apresentação da saga GT com Goku e Vegeta SSJ 4, o vilão final Omega Shenron e a fusão mais apelona: Gogeta SSJ 4. Além da saga GT era possível utilizar o Goku pequeno do Dragon Ball e também 2 grandes vilões de filmes: Janemba e Broly. A diferença das batalhas do Budokai 3 pro 2 está na maneira de apresentar o Ki; na maior fluidez dos movimentos dos personagens; e nas animações de ataques que chegavam no universo destruindo o cenário. Esse jogo chegou realmente com tudo, porém acabou ficando pra trás do próximo da lista!

Dragon Ball Z: Budokai Tenkaichi 3

Data de lançamento: 13 de novembro de 2007
Plataformas: PlayStation 2, Wii
Desenvolvedores: Bandai, Atari, Spike
Estúdios: Bandai, Bandai Namco Entertainment, Atari, Namco Bandai Holdings, AK Tronic

Com toda a certeza a franquia Tenkaichi mudou a maneira de se jogar Dragon Ball. Foi nela que tivemos a primeira batalha 3D entre personagens. Poder voar pelo mapa nos cenários que você cresceu vendo, e com liberdade total, foi insano demais na época. Apesar do primeiro Tenkaichi ter sido o que mudou isso radicalmente, o 3 foi a versão mais aperfeiçoada dele. Aqui tivemos a oportunidade de jogar com mais de 150 personagens e em mais de 30 cenários! Sem dúvidas, foi o jogo mais completo de Dragon Ball. Ele trouxe personagens que havíamos esquecido, sendo extremamente nostálgico poder usá-los. Tinha personagens de todas as sagas e todos os filmes que haviam sido produzidos até então. Um ponto super legal eram as Free Battles, que podiam ser feitas em equipe de até 5 lutadores onde e vencia quem derrotasse todos os integrantes da outra equipe primeiro. Eu poderia montar um post inteiro só explicando as maravilhas desse jogo, porém preciso passar pro próximo 😛

Dragon Ball Z: Sagas

Data de lançamento: 22 de março de 2005
Plataformas: PlayStation 2, Xbox, Nintendo GameCube
Desenvolvedor: Avalanche Software
Estúdios: Atari, Atari Games, Warner Bros. Interactive Entertainment

Esse jogo eu conheci na casa de um amigo. Quando cheguei lá tinha um Goku andando por uma mapa 3D e atacando Saibamans espalhados pelo cenário, e me dei conta que aquilo era um jogo de aventura de Dragon Ball! Você percorria o mapa, pegava itens, chegava nos checkpoints, enfrentava NPCs fracos até chegar no chefão da fase, e tinha barra de vida para durar durante a fase inteira. Foi uma ideia muito boa porém o gráfico era pior que a franquia Budokai, que já havia sido lançada na época, e a maneira que exploraram esse recurso foi bem rasa. Mas não tira em nada o mérito de tentar algo inovador!

Dragon Ball Z: Burst Limit

Data de lançamento: 5 de junho de 2008
Plataformas: PlayStation 3, Xbox 360
Desenvolvedores: Dimps, Namco Bandai Holdings
Estúdios: Bandai, Bandai Namco Entertainment, Atari, Namco Bandai Holdings, Atari Games

O Burst Limit entra na lista por ter sido o primeiro jogo de Dragon Ball para a terceira geração. Ele basicamente é um Tenkaichi com gráfico melhorado. Porém não houveram muitas mudanças com relação ao game de PS2 – na verdade parece que, com o aumento dos gráficos, foram perdidas muitas outras qualidades que a versão mais antiga apresentava, como a quantidade de personagens e de cenários. E isso não motivava o vício em jogar horas seguidas. Pra piorar, ia apenas até a saga Cell. Apesar de todos esses problemas, o jogo não deixa de ser a estreia do universo de Dragon Ball na plataforma e serviu como base para a evolução dos próximos lançamentos.

Dragon Ball Z: Ultimate Tenkaichi

Data de lançamento: 25 de outubro de 2011
Plataformas: PlayStation 3, Xbox 360
Desenvolvedor: Spike
Estúdios: Bandai, Bandai Namco Entertainment

Um jogo que criou um hype enorme quando vi o trailer pela primeira vez! Além de ter o nome Tenkaichi, o modo de jogo apresentado ao estilo God of War – em que você enfrenta um bicho muito maior que você apertando uma sequência de botões e executando ações de cutscene – foi sensacional. Um exemplo de luta nesse estilo é contra o Vegeta Oozaru. Outra grande revolução do game foi o Modo Herói, onde você podia criar seu próprio personagem e ir editando ele conforme  avançasse no jogo. Na história, você podia se transformar em SSJ! E o chefão final desse modo era o ShenLong vermelho, contra quem também batalhávamos com as cutscenes. No modo online, podíamos utilizar nosso personagem criado para batalhar também o/

Dragon Ball: Xenorverse 2

Data de lançamento: 25 de outubro de 2016
Plataformas: PlayStation 4, Xbox One, Nintendo Switch, Microsoft Windows
Estúdio: Bandai Namco Entertainment
Desenvolvedor: Dimps

E pra finalizar, o último jogo de Dragon Ball lançado até o momento, para a geração mais atual de consoles. O game está sensacional, por ter sabido aproveitar todos os bons elementos dos jogos que comentei acima através de gráficos lindíssimos. Por ser o game mais atual, possui diversos personagens de Dragon Ball Super como Goku SSJ Blue, Red, Beerus, Whis e até o Jaco. A saga GT também está inserida no jogo e traz o SSJ4 de Goku e Vegeta e também o Omega Shenron. O modo história gira em torno de Mirai Trunks, que agora é um integrante da Patrulha do Tempo cujo dever é impedir variações temporais. Nesse modo você cria seu próprio patrulheiro e se junta a Trunks para consertar algumas variações que estão aparecendo na linha temporal de Goku. Parece que um homem e uma mulher estão voltando para o passado e dando frutas malignas para os vilões que Goku derrotou. Essas frutas aumentam a maldade em seus corações, os tornando mais poderosos. Seu dever é se juntar com os guerreiros Z e fazer com que o passado se mantenha como era. Boa sorte, patrulheiro!

Confira também 10 games de Anime para Smartphones que você tem que jogar em 2017!

>> Olhando de novo essa lista após terminá-la, sinto uma nostalgia indescritível. Obrigado por tornar minha infância/vida melhor, Akira ❤

>> Não feche o post ainda! Queremos saber a sua opinião. Conte pra nós nos comentários aqui embaixo como seria a sua lista de games 😀

João Eicke
Otaku nascido e criado com animes do Toonami; terror dos buffets livre de sushi e aprendiz do estilo Hiten Mitsurugi!
http://www.noanimenolife.com.br/

One thought on “Os 10 jogos de Dragon Ball que deixaram sua marca!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *